Vídeo: Raniery não esconde a mágoa com os líderes do Cidadania em Guarabira

Em fotografia, Beto Meireles coloca mãos no bolso e para trás.

Não é segredo para os guarabirenses às divergências de Raniery Paulino com os aliados dos governos de Ricardo Coutinho e João Azevêdo em Guarabira. Na última semana o emedebista engrossou o tom, revelando que o seu único amigo dentro do Cidadania é o ex-prefeito Josa da Padaria. O parlamentar não escondeu a mágoa existente contra o presidente da sigla, Célio Alves, apontado como o pivô dos ataques à família Paulino nos últimos dez [10] anos. Assista à entrevista do parlamentar a TV Mídia.

O emedebista se tornou protagonista ao desejar no início deste ano a cassação do governador João Azevêdo (Cidadania) e da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT). Inclusive, Raniery assinou o pedido de impeachment protocolado pela bancada de oposição no mês de fevereiro, naquela época, o parlamentar era o líder da bancada de oposição a João e a Lígia. Menos de cinco meses depois, Raniery acabou se rendendo aos caprichos do Governo, abandou os colegas na Assembleia (ALPB) e se debandou para o lado governista.

Raniery apoiou a candidatura de Zé Maranhão ao Governo da Paraíba em 2018. João Azevêdo foi eleito com o apoio de Ricardo Coutinho, contudo, o atual governador era o líder do projeto socialista que buscava a permanência no poder. Raniery afirmou que foi perseguido no pleito eleitoral de 2018, classificando a campanha de João como uma “organização”, e segundo o parlamentar, utilizou o “dinheiro da ‘corrupção” para vencer às eleições.

“Vivi nas últimas eleições momentos de extrema dificuldade, perseguido por uma “organização” que usou o poder e o dinheiro da corrupção, para silenciar as vozes que tiveram a coragem de se levantar contra o seu modus-operandi”, escreveu.

Redação/Blog do Galdino